5 de jan de 2010

Prós e contras de dormir com os pais


... e o Pedro ainda dorme no nosso quarto... e assim segue!

Nisso eu posso admitir: nós falhamos.

Nunca deveria ter tirado o Pedro do quarto dele e levado para o nosso. Ele dormiu perfeitamente até os 7 meses de idade, sem nenhum problema. Podia ter resistido aos dias de febre, virose, dentinhos nascendo, gripes. Ao invés de levá-lo para nossa cama deveríamos ficar com ele no seu próprio quartinho.

Agora, aos 16 meses, recém completados, ainda enfrentamos esse problema, pior ainda, hoje ele dorme na nossa cama. E em algumas noites eu ou o Pai saímos da cama e vamos para outro quarto, o que nos separa como casal.

No início, ele era pequenininho, ficou doente e achamos que ele ficaria mais protegido se dormisse aconchegado com a gente. Além das noites de sono que ganhamos, porque muitas vezes é o nosso cansaço que nos faz ceder em nossas convicções. Eu nunca fui a favor de criança dormir no quarto dos pais, mas esse foi um pensamento imediatista que nos fez falhar.
Atenção!! Tais pensamentos nos fazem falhar em várias frentes, como alimentação, sono, educação. Cuidado para não cair nessas ciladas.

Muitas vezes eu e meu marido, cansados, loucos de sono, depois de um dia estressante de trabalho acabamos cedendo e colocando ele na nossa cama, visto que ele dorme direto umas 10 horas seguidas e no seu berço acorda a cada 2, 3 horas.

Enfim, vocês que acompanham, sabem que esse é um assunto que vire mexe eu toco, mas ainda não resolvi. Pesquiso, pesquiso, leio livros, tento, coloco em prática algumas técnicas, outras rejeito, mas sou vencida por meu cansaço, compaixão pelo o choro dele e principalmente pela danada culpa de ficar tanto tempo longe dele durante o meu dia de trabalho. Acho que isso acaba acontecendo com todas nós!


Mas, tem que ser sempre assim?
Pesquisei e veja o que encontrei para me dar forças nessa decisão. Estou me preparando para virar essa página.

Saiba o que fazer e porquê não fazer para não cometer os mesmos erros que os nossos:
  • Em primeiro lugar, desde pequeninho faça-o conviver no quartinho dele.

  • A criança, desde bebê, precisa aprender a lidar e enfrentar os medos em seu próprio quarto para que se torne um adulto independente e confiante, capaz de suportar o desconhecido, respeitar sua individualidade e a dos outros.

  • Até os 3 anos, os pequenos ainda não possuem elementos para lidar com o susto e não distinguem o medo. Assim, eles chamam a atenção dos pais e pedem ajuda para conseguir lidar com o que sentem. Os pais, por sua vez, temem deixá-los sozinhos no quarto ao lado.

  • Muitas vezes, a criança não entende a relação entre os pais e acaba virando um competidor: como eles podem dormir juntos e ela, sozinha?

  • É importante ajudá-lo a superar seus medos, que, muitas vezes, vêm de barulhos noturnos, como uma janela ou uma porta que bate, a torneira do banheiro que pinga ou o cachorro da família que circula pela casa. Assim, os pais devem levar o filho a um "passeio" pela casa e mostrar-lhe cada possibilidade de barulho. E vasculhar o quarto dele, procurando o motivo do medo, mostrando que não existe aquele tal monstro ou fantasma debaixo da cama. Abrir os armários, as gavetas, verificar prateleiras, caixa de brinquedos, ou seja, fazê-lo observar cada cantinho para ter certeza de que não há nada que possa causar temor. O pai ou a mãe pode sentar-se à beira da cama do filho e explicar que o quarto dele é um lugar seguro. Além de afastar os temores, a criança se sente amada e afasta aquela idéia de que a rejeitam quando a retiram do quarto do casal.

  • Durante o dia, fiquem algum tempo com a criança no quarto. Mostrem a ela como aquele cantinho foi feito com todo amor, com uma cama confortável, edredon bem quentinho, objetos que ela tanto gosta, espaço para brincadeiras, para desenhar, dançar, ver vídeos infantis, olhar seus livrinhos, enfim, fazer suas atividades, além de descansar. É importante que o pequeno se afeiçoe ao espaço que lhe foi destinado na casa, para que à noite volte para ele sem problemas.

  • Não pense duas vezes nem ceda a chantagens, como choros, gritos, súplicas: leve imediatamente seu filho de volta para a cama dele. Quantas vezes ele tentar dormir com vocês, repita a atitude. Uma hora ele desiste.

  • Pais que trabalham fora, muitas vezes, sentem-se culpados pelo pouco tempo que dedicam ao filho e acabam não colocando os limites necessários à criança. Mas é importante que, mesmo que o tempo seja curto, pai e mãe conversem com o pequeno sobre como ele está se sentindo emocionalmente e expliquem o que for necessário para erradicar o medo.

  • Nada de deixar acesa a luz principal do quarto infantil. Mas pode ter um foco de luz (abajur, um bichinho iluminado na tomada, estrelas no teto etc). Isso ajudará também, depois que ele deixar as fraldas, a fazê-lo chegar ao banheiro de madrugada, por exemplo.

  • O presidente do Comitê de Saúde Mental da Sociedade de Pediatria do Rio de Janeiro (Soperj), Roberto Santoro, observa: o hábito de deixar o filho dormir com o casal impede que a criança se desenvolva, reforçando indevidamente a dependência da mãe, o que certamente ocasionará problemas no futuro.

  • Um pedido eventual de dormir com os pais, sem pretextar medo de algo sobrenatural ou sentimento de abandono, pode ser atendido. Mas, segundo Roberto Santoro, sempre "por tempo limitado, levando-se a criança de volta para sua cama".

  • Quando ela fica doente, o ideal é que seja mantida em sua própria cama, recebendo os cuidados dos pais no quarto dela. Não deixe que seu filho, em algum momento, alegue uma doença fictícia como pretexto para dormir com papai e mamãe.

  • Nada de deixar a criança dormir no sofá da sala, quando você e seu marido estiverem jantando ou vendo TV, para depois levá-la para a caminha. De alguma maneira, vocês estão mantendo a idéia de que o quarto dela não é um lugar seguro para dormir sozinha.

  • O velho hábito de cantar canções de ninar, contar histórias (sempre leves, sem bruxas, monstros e personagens aterrorizantes) e conversar sobre as coisas boas que aconteceram durante o dia é ótimo para que seu filho durma tranqüilo.

  • Caso a criança, ainda deitada no berço ou na cama dela, chore, chamando por você e pedindo para dormir no quarto do casal, vá até lá e converse com ela. Mas nada de tirá-la da caminha.

  • Se houver necessidade, os pais devem se revezar no atendimento ao pequeno no próprio quarto dele. Assim, não precisarão levá-lo para sua cama e resistirão mais ao cansaço.

  • O casal não pode, de maneira alguma, abrir mão de sua vida sexual para deixar o filho dormir em sua cama. Além de não fazer bem ao pequeno, fará mal ao casamento. Seu filho tem que entender que, à noite, o quarto do casal é um lugar privativo. Se essa privacidade for constantemente invadida, pode trazer problemas à relação.

  • Mas pode haver um outro motivo para a permissão do pequeno durante a noite entre os pais: uma crise, mesmo velada, entre o casal. Dormir com a criança acaba desviando a atenção que deveria ser destinada aos problemas que estão atravessando e evita uma intimidade maior entre eles. Atenção: Resolvam seus problemas conjugais para não trazerem outros a seu filho.

  • Quais são as vantagens de o bebé dormir conosco?
    Trabalhamos o dia todo, uma rotina estressante, somos previlegiados por poder almoçar com ele todos os dias e até tirar uma soneca na hora do almoço juntinhos, mas mesmo assim sentimos muita falta dele, e o co-sleeping e uma oportunidade de passarmos mais tempo com ele. Sem contar a troca de carinho que temos antes dele dormir e durante a noite. Acreditamos que essa proximidade durante a noite ajuda a criar uma relação mais forte entre a gente e transmitir ainda mais nosso carinho.
    Alguns estudos demonstraram que os bebés que partilham a cama dos pais mamam geralmente mais, mas perturbam menos o sono da mãe, comparativamente com os bebés que dormem sozinhos. As mães que partilham a cama com o bebé amamentam geralmente os bebés durante mais tempo, talvez porque é mais fácil dar de mamar na cama do que levantarem-se durante a noite para esse efeito.
    Os bebés que dormem com os pais ficam geralmente acordados menos tempo à noite do que os bebés que dormem sozinhos e também é possível que chorem significativamente menos. Dormindo junto ao bebé, os pais podem reagir rapidamente se começar a tossir ou a chorar durante a noite.
    Há quem acredite que os bebés que dormem na cama dos pais são mais tarde crianças mais independentes, extrovertidas e autoconfiantes. Na idade adulta, apresentam uma melhor auto-estima, gerem melhor o stress e estão mais à vontade com a sua intimidade do que os adultos que dormiram sozinhos quando eram bebés, mas eu não acredito muito nisso não porque para mim, a forma como organiza o sono do bebé não pode, por si só, determinar o tipo de pessoa em que se virá a tornar no futuro.
    Alguns estudos sugeriram igualmente que, em média, os bebés que dormem com os pais acordam com menos frequência e voltam a adormecer mais rapidamente do que os bebés que dormem sozinhos num quarto separado. Contudo, alguns bebés têm simplesmente uma melhor capacidade de se acalmarem sozinhos do que outros. Por este motivo, pode ser enganador pensar que o co-sleeping irá ter alguma influência quando o bebé começar a dormir a noite toda.

  • Quais as desvantagens de deixar o bebé dormir na nossa cama?
    É difícil partilhar a cama com um bebé que se mexe, dá pontapés e se contorce, apesar de não ter que levantar várias vezes para ir ao quarto dele, se ele dorme na nossa cama, não conseguimos dormir bem porque ele mexe muito, acabamos tendo um sono agitado. Uma das principais desvantagens
    é que quanto mais velho o Pedro fica mais díficil e esgotante está sendo em fazê-lo habituar em seu próprio quarto, e a partilha da cama com ele acaba atrapalhando a nossa vida de casal. O quarto deixou de ser nosso, não sentimos mais a vontade. Isso quando um não vai dormir em outro quarto porque a cama vai ficando pequena. Enfim, é um drama.

Como ajudar nossos filhos a dormir sozinhos?

  • Crie uma rotina tranquila para que o bebê ou a criança perceba que a hora de dormir está chegando.
  • Leia um livro quando ele se deitar na cama.
  • Ajude a criança a escolher algo – um boneco, um livro ou um paninho – que possa levar para o berço ou para a cama. Ela se sentirá mais segura.
  • Não acenda luzes no quarto. Se a criança não gostar de ficar no escuro, deixe uma luz acesa no corredor ou num cômodo próximo.

Enfim, temos informações suficientes para mudar essa realidade aqui em casa, nós falta é atitude, constância e disciplina. Já aconteceu de eu ficar uma semana dormindo no quarto dele, eu na caminha auxíliar e ele no berço, no começo é difícil, mas depois vai melhorando. O problema é que viajei e o LC (meu marido) não manteve o combinado, quando voltei estava ele lá na cama e eu tendo que recomeçar tudo dinovo, desanimei.


Preciso tomar uma decisão que seja boa para nós como casal e para meu pequeninho também. Se alguém passou por isso e quiser compartilhar comigo a experiência ficarei muito feliz.


Help me!


beijos Mey

10 comentários:

Rafaela disse...

Muito boas as dicas,mesmo antes de engravidar sempre pensei q o melhor para a individualidade da criança é ter o próprio quarto.O quarto do meu bebê já está preparado esperando por ele!

Aline disse...

Olá. Há algum tempo que sigo o teu blog, desde os meus tempos de grávida e gosto muito. Em relação à minha experiência, não é grande pois o Martim só tem 7 meses e ainda dorme no nosso quarto, por questões logísticas. Mas o conselho que a Pediatra nos deu foi o de o transitar para a cama dele quando ainda não está totalmente a dormir. Tenta pô-lo numa cama ao lado da vossa primeiro em vez de levá-lo directamente para outro quarto para que não sinta muita diferença. Faz por etapas e explica-lhe que ele já é crescido e com reforço positivo.
Tenho um sobrinho que ainda dorme com os pais com 7 anos. E não há maneira dele transitar para o quarto dele. Quanto mais crescer, pior. Deves fazê-lo o quanto antes.
Beijinhos e boa sorte

Anônimo disse...

Oi amiga ... saudades de vc !Acompanho seu blog sempre e eu nao posso lhe ajudar com muitos conselhos afinal de maternidade hoje eu tenho ainda sonhos e muita vontade de realizar os ganhos e desafios dela, e por isso tenho algumas coisinhas que ganho de quem sabe desse meu sonho. E um deles eu divido com vc hoje , pois cabe direitinho com esse seu pedido de help. http://tvuol.uol.com.br/#view/id=pai-desesperado-04023070E48993E6/user=e8h4xmy8lnu8/date=2009-12-26&&list/type=all/edFilter=user/sort=mostRecent/time=week/ ..... Beijos e divirta-se! Si

Cristine disse...

Olá,Mey no momento estou passando pela mesma situação,meu pequeno também tem 16 meses e se chama Pedro Arthur,eu fiz o mesmo que vc,levei ele para o quarto dele e passei a dormir na cama auxiliar,mas quando voltei a dormir no meu quarto ele acordou a noite e caiu do berço, ai voltei ele para o nosso quarto novamente.Também já li muito,pesquisei mas até o momento não consegui achar uma solução,fiquei feliz em saber que não estou sendo a única a passar por isso,mas espero que a gente volte aqui daqui uns tempos pra contar como tudo foi resolvido...bjus boa sorte.....Cris

Anônimo disse...

Antes de ser mãe eu tbém era contra a criança dormir com os pais. Agora me pego fazendo o mesmo. O Felipe (1 ano) não no berço dele desde 1 mês, mas de madrugada às vezes eu levo ele comigo pra eu poder descansar, já que ele ainda acorda de madrugada e eu trabalho o dia todo... aff... Acho ótimas as dicas que vc colocou no blog e devemos segui-las sim, mas aos poucos e sem se estressar. Afinal, o tempo passa rápido e vamos sentir saudades. Indico o site Grupo Soluções para Noite Sem Choro http://solucoes.multiply.com/
Abs, Mara

Giovana Gomes disse...

Ola Mey, estava navegando pelos blogs e cheguei até você.
Também tenho um Pedro de quase 18 meses e me identifiquei com várias situações que você passou, inclusive descobrimos que estávamos gravidas no mesmo dia, hehehe, o Pedro tambem teve uma fase de morder e esse lance de cama compartilhada tambem passamos, mas não é sempre que ele vai pra nossa cama não. Quando vai é lá pelas 3 ou 4 hs da manhã, dai já deu pra gente se curtir (o casal). Quando a independencia e maior confiança no futuro, EU ACREDITO!!!! Uma solução pra vc!!!! Compre uma cama King Size, hehehe.... Beijos vou colocar voce nos meus blogs favoritos ok?!?!?!?
Bjs

arthurpelomundo disse...

a Unica coisa que posso te ajudar e orar !!! rsrsrsrs ainda estou na tentativa de ver meu bombom dormir sozinho ou a noite toda ...entao vou orar pra gente !!!!

Branquinho disse...

Oi, Mey!
Então, eu estou no maior dilema. rs Essa noite foi OTIMO. Ele dormiu quase a noite toda, chorou uma vez e acordou quase 9 da manhã. Quando ele dorme no quarto dele, ele acorda umas 6. Por ele está dormindo melhor, to quase deixando ele no nosso quarto, mas não na nossa cama. Eu comprei um berço cercado e pretendo adapta-lo ali. Em julho, nós vamos nos mudar. O Rapha vai ter um ano e 3 meses. Será que na nova casa, eu consigo adapta-lo direto no quarto?

Erika Bittencourt disse...

Tenho um bebê de 10 meses, e sei que estou fazendo tudo errado, pois desde o primeiro mês de vida meu filho dorme comigo, só dorme no peito e o pior não consigo criar uma rotina pra ele. Não sei mais o que fazer, estou desesperada.
Pois é muito cansativo, tanto pra eu como para o meu filho.
Se souber de algo que possa me ajudar por favor, me diga.

Amanda disse...

Olá, passo pelos mesmo problemas que vc... pelo cansaço me rendo e acabo deixando ele dormir comigo e com meu marido na cama, sempre falo em fazer um teste e colocar ele para dormir no berço mais tenho muita dó pois ja passo a tarde toda longe dele e na hora que há vejo quero ficar agarradinho com ele... Meu bebe ja esta com 14 meses e dorme com a gente desde quando nasceu.Oque faço ele anda ocupando muito espaço e acordo com dores no corpo. Obrigada