10 de out de 2012

10 dias do nascimento da Marina e sem funcionária


Queridas Amigas,

Essa semana eu programei o início da minha desaceleração e imersão ao mundo de Marina. Contei cada dia até chegar o dia 05 de Outubro, que foi meu último dia de trabalho no escritório, a partir daí vou trabalhar em casa, nas demandas que forem necessárias.

Como sou muito agitada, acabei não diminuindo em nada o meu ritmo durante essa gravidez, a única coisa que não fiz foi viajar depois dos 7 meses de gestação, mas as demais atividades eu emplaquei em ritmo frenético e até que posso me dizer bem-sucedida equilibrando o trabalho, casa, marido, filho pequeno, pós-graduação e esse barrigão.
Minha médica muito preocupada com a antecipação do parto, diminuição de liquido aminiótico, proveniente da minha falta de noção do descanso necessário para uma gestante de 38 semanas, me deu um atestado para eu desacelerar nos últimos dias antes do parto, para eu trabalhar de casa que fosse, mas bem mais quieta. Pois bem...

No meu primeiro dia em casa, expectativa nas alturas, ansiosa por ter apenas que ler os poucos emails que ainda ficaram do trabalho, resolver pequenas pendências, descansar, ver e rever as coisinhas da Marina, dormir um pouco... Enfim, arejar a cabeça.
Eis que a minha funcionária falta sem avisar (já vinha tendo problemas há meses com ela e sempre dava nova chance, acreditando nas promessas de melhora).
Um dia todo (segunda-feira brava) eu me vejo com a casa suja do fim de semana, sem almoço e uma criança de 4 anos feliz com a presença da mãe em casa e querendo brincar todo tempo. Superamos esse dia.

No segundo dia, ela chega e logo de cara me diz que não poderá mais trabalhar com produtos químicos devido uma renite, que não vinha mais aos sábado, e colocando umas exigências sobre o que já havíamos combinado no contrato de trabalho. Nessa conversa ficou clara as intenções dela para que eu a demitisse, que ela estava querendo forçar essa situação.

Enfim, posso dizer que meu mundo caiu. Misto de extrema decepção, afinal o meu investimento emocional e financeiro para que desse certo não havia sido baixo nesses últimos meses, houve muita tolerância, muita vista grossa, paciência, treinamento de coisas básicas que ela não sabia fazer, para que desse certo. Sem contar que nisso tudo há o envolvimento do Pedro, que é uma criança e já tinha se afeiçoado a ela. Acredito que falhei no meu excesso de confiança, carinho e não deveria ter insistido tanto.

Só Deus sabe a minha tristeza com a ingratidão, a falta de consideração. Eu prestes a ganhar bebê, em um momento super vulnerável da mulher, precisando de paz e depois de tudo que fiz para ajudar, para encaminhar, todo meu carinho, dedicação, enfim, muito frustrante ver a condição mesquinha, desumana.

Mas crendo na presença de Deus na minha vida, tenho tentado manter a paz, conservar serenidade e buscar alternativas, sei que vou encontrar uma pessoa para substituí-la, mesmo que seja nos últimos minutos do segundo tempo, até porque agora estou mais criteriosa. Essa pessoa será um anjo enviado pelo Senhor e eu ainda testemunharei essa benção aqui.

Não deixarei que esse "manjar do mal" me tire a alegria no meu melhor momento, em um momento que Deus está trazendo uma benção enorme para minha casa, que é nossa Marina, tão amada, tão esperada.

Senhor, sou tão grata por isso!!! Sei que o Senhor tem um propósito nisso tudo e deve ser de livramento. Desejo benção e presença do Senhor na vida dela, mas obrigada por nos afastar do mal que desconhecemos. Confiamos que seus planos são perfeitos.

Estou a procura de uma nova funcionária, desejo encontrá-la antes do parto e tenho menos de 10 dias para isso. Coincidência ou não, eu passei uma situação parecida quando o Pedro tinha 15 dias de nascido, minha funcionária que aparentemente era ótima resolveu saiu para montar um negócio de venda de salgados, de uma hora para outra começou faltar, mentir que estava doente. Eu fiquei super triste, me vi sozinha em casa com um bebê para cuidar, roupa para lavar, passar, casa suja, foi um caos. Mas estou sempre dizendo que a gente deve trazer a lembrança o que nos traz esperança, então estou sempre lembrando que nessa ocasião eu orei e Deus me deu a Daísa, que cuidou do. Pedro com o maior amor do mundo até quase 3 anos de idade, uma benção na minha vida, me deu muita alegria e só saiu daqui de casa porque teve que acompanhar o marido para outra cidade. Assim como Deus me deu esse anjo, Ele dará outro, que será resposta das minhas orações e eu da dela e por meio do trabalho dela aqui seremos muito abençoados e abençoaremos muito a vida dela.

Eu creio em um Deus que dirige a minha vida, e só vou passar pelo o que Ele permitir. Estou crendo que tudo dará certo que essa pessoa será encaminhada em breve, e se não acontecer antes da Marina nascer, Deus vai enviar outros anjos para me ajudar.

No Salmo 91 diz que Deus dará ordem aos seus anjos para acampem ao redor da minha casa, e assim creio. Amém.

2 comentários:

Anônimo disse...

Love what you are doing with the blog man!

Anônimo disse...

Com certeza Mey...Deus já preparou tudo...bju