19 de jun de 2013

Parto normal: o parto que o Augusto escolheu.


Olá amigas! 
Ando com saudades de postar por aqui e hoje eu trago um post muito especial. Uma estória linda, que narra o melhor primeiro encontro que nós mulheres podemos ter na vida: a chegada de um filho. 
Uma querida amiga, a Fernanda Spadaccia ganhou recentemente um lindo presente, o Augusto, e foi um parto normal sem planejar, uma dádiva de Deus que ela vai compartilhar aqui com a gente. Leia essa estória, você vai se emocionar!


O parto que o Augusto escolheu.
por Fernanda Spadaccia Ferrarese

Mey, tudo bem?!
Você pediu e eu resolvi escrever, pra compartilhar a minha experiência com você e suas seguidoras.
Você vai ver que fui privilegiada por Deus e pela natureza...
Bom, a vida toda eu falei que nunca faria parto normal, que a tecnologia estava aí a favor das mulheres e que eu não considerava normal todo aquele "sofrimento" envolvido no parto chamado normal. Eu me referia a todas aquelas horas e horas em que as mulheres ficam em trabalho de parto, com muita dor, podendo chegar a 10, 15 ou até mais horas sofrendo as dores das contrações, até que chegue a hora que o bebêzinho resolva vir ao mundo.
 
Bem, eu não sei exatamente o que aconteceu, mas durante a gestação eu simplesmente passei a considerar a hipótese do parto normal, desde que fosse realmente normal,  o que, pra mim, significava um trabalho de parto que evoluísse rápido, e que não fosse sofrido para a mãe e nem para o bebê, mas, sinceramente Mey, eu nunca, nunca mesmo, achei que isso iria acontecer comigo! Então era bem cômodo né?! Eu falava que faria se fosse dessa forma, mas como isso é bem difícil de acontecer, no fundo eu tinha quase certeza que seria cesárea. Um pouco de demagogia né?! Eu sei...
 
Aqui acho que vale a pena abrir um parênteses para falar sobre a minha medica, a Dra. Márcia Heloísa Fogaça. Desde o início ela não se opôs ao parto normal, raridade hoje em dia, e me disse que eu não precisava resolver no começo da gestação que tipo de parto eu faria, e que ela me falaria, ao longo das consultas, se eu teria as condições para fazer o parto normal. Ela é uma médica e uma pessoa muito especial e teve uma contribuição enorme pra que tudo isso acontecesse.
 Em uma das consultas de rotina no ultimo mês da gestação, numa quinta-feira, na sala de espera, eu comentei com meu marido que tinha decidido que queria cesárea mesmo, que eu era muito ansiosa pra ficar sem saber que dia e que hora meu bebê chegaria... Quem me conhece sabe que tudo na minha vida é muito planejado, muito pensado e, na medida do possível, muito controlado!
Ele aceitou, falou que isso era uma decisão minha e que ele me apoiaria em qualquer um dos casos.
 
Acontece que entramos para a consulta e nesse dia, excepcionalmente, não começamos com um bate papo, fomos direto para o exame de toque, pois já estava iniciando a 38a semana. Essas foram as palavras dela depois de examinar: "Fernanda, minha filha, você não esta sentindo dor não?!", quando eu disse que não ela falou: "você esta com 5cm de dilatação meu bem!"... Isso me deu um frio na espinha, porque simplesmente eu percebi que estava acontecendo o único cenário em que eu havia dito que "me enquadraria" na opção do parto normal. 
 
Isso mesmo! 5cm de dilatação sem nenhuma dor! Eu gostaria de reforçar: NENHUMA DOR. Até esse dia, inclusive, eu estava trabalhado normalmente. Voltei para consultar nos próximos dois dias para ver a evolução, e a dilatação não havia aumentado, mas o colo do útero afinava mais. As pessoas me perguntavam: então você esta esperando o parto normal?! Eu nunca respondi que sim, parece que a minha ficha não tinha caído... Mas é claro que eu estava esperando! Inconscientemente eu sabia que era contra a natureza fazer uma cesárea nessas condições... 
Nesse dia eu estava assistindo aquele programa "Boas vindas", do GNT, e em um dos partos normais que estavam sendo mostrados, o obstetra comentou que estava evoluindo SUPER bem, e que em várias horas de trabalho de parto (com muita dor), a gestante já tinha atingido 3 cm de dilatação... Nessa hora eu percebi o quão privilegiada e abençoada eu estava sendo.
Na próxima segunda feira eu voltei para outra consulta e ela fez o toque, falou que estava "mais ou menos" a mesma coisa. Na verdade ela não quis me assustar, mas, para a minha mãe, que estava comigo, ela disse que estava muito perto da hora do parto. Não deu outra, por volta da meia noite as contrações começaram, agora sim com dor. Como eu achava que não tinha evoluído a dilatação, cheguei a falar pro meu marido que não era pra ele ligar pra médica, porque poderia ser alarme falso! (Risos)... Ele ligou e mais do que na hora ela atendeu e pediu pra eu descer pro hospital... Chegamos lá 01:30 hs, e eu só caí na real quando ela fez o toque e disse que estava de 8 para 9 cm de dilatação... Eu tremia muito... Tremia de dor, mas também de medo, muito medo... Sim, eu iria fazer um parto normal... E não estava nem um pouco preparada para isso... Porque quem quer fazer esse tipo de parto sabe, até mesmo antes de engravidar o que te espera e desde o início se prepara pra isso, sabe que vai sentir dor e que isso é natural, faz parte desse processo. Eu não havia me preparado psicologicamente pra isso, mas não interessa! O meu corpo estava preparado... E acho que por volta das 01:50, no máximo 02:00, subi para o centro cirúrgico. Como a bolsa estava intacta, lá a medica a estourou, e aí sim meu bem, as contrações vieram de verdade... Uma atrás da outra. Nessa hora eu perdi a noção de tempo e espaço, não sabia se estava ali há muito tempo, só sei que as contrações foram chegando e eu gritava muito... Foi pedido que meu marido esperasse na sala ao lado, e de lá eu escutava ele gritando: "fica firme amor, você é muito forte, vai dar tudo certo..." Mas eu estava muito concentrada na dor, por não ter me preparado pra isso, como disse antes... Pedia a analgesia para a médica toda hora, mas eu sabia que ela só poderia autorizar a aplicação quando o bebê estivesse muito próximo de chegar. Isso porque todo o trabalho de parto poderia ser perdido caso eu parasse de fazer força quando as contrações acontecessem... Um tempo depois, a analgesia foi aplicada e, como um toque de mágica, a dor sumiu... Mas a consciência sobre a força que eu tinha que fazer também se foi um pouco... Ela me avisava quando a contração acontecia e eu fazia a força... Graças a Deus deu tudo certo e às 2:47 da manhã o Augusto chegou!! 
Foram apenas 3 horas sentindo as famosas "dores do parto"!
Uma coisa interessante foi que eu praticamente virei "celebridade" no hospital! "Você foi a que fez parto normal?!" Foi o que mais ouvi das enfermeiras. Fora do hospital a reação as pessoas também foi muito legal. Amigos e familiares dizendo que estavam muito orgulhosos de mim. Pessoas que eu nem tinha tanta proximidade vieram me procurar, me dar um abraço, dizerem que acharam muito legal a minha escolha. Mal sabiam elas que na verdade eu fui escolhida...
Te digo que valeu muito a pena, por tudo. Seja pela recuperação, porque no mesmo dia já tomei meu banho sozinha, fiz praticamente tudo normalmente. Ou por provar pra mim mesma que eu sou forte a esse ponto, mas, acima de tudo, pela alegria de trazer meu filho ao mundo no dia e na hora que ELE quis chegar.

Bom, é isso... Não é nada demais, mas achei importante te responder e escrever pra incentivar outras mamães que tenham essa vontade, e outras que hoje não têm mas um dia podem ter... Aliás, estou à disposição se alguma quiser trocar uma ideia sobre isso.
Com certeza minha opção será pelo parto normal para o segundo filho.
Agradeço todos os dias a Deus por tudo, por cada detalhe do que aconteceu comigo... 
Obrigada pela oportunidade de compartilhar!

Um beijão, Fernanda Spadaccia Ferrarese



Fotos por Lú Menezes www.lumenezes.com.br/blog

6 comentários:

Viviane Lúcio Barcelos Melazo disse...

Amigaaaa... Que lindo... Amei demais o texto. Me emocionei hoje duas vezes com a sua estória. Ao vivo quando fui conhecer o Augusto e agora aqui lendo esse lindo texto. Você é especial demais. Não me canso de dizer isso. Você merece tudo isso que te aconteceu e muito mais. Te amo viu!!! Parabéns!!!

Viviane Lúcio Barcelos Melazo disse...

Amigaaaa... Que lindo... Amei demais o texto. Me emocionei hoje duas vezes com a sua estória. Ao vivo quando fui conhecer o Augusto e agora aqui lendo esse lindo texto. Você é especial demais. Não me canso de dizer isso. Você merece tudo isso que te aconteceu e muito mais. Te amo viu!!! Parabéns!!!

Thalita Garcia disse...

Oi Mey e Fernanda!
Primeiramente queria dizer que adoro o blog e que o acompanho ha tempos, muito antes de me tornar mae.
Me emocionei com a estoria da Fernanda, ela realmente foi escolhida!!! Parabens pelo Augusto e pela riqueza agregada a sua vida em vivenciar dessa forma um momento tao importante!
Gostaria, Fernanda, de te contar que senti um carinho especial ao ler seu depoimento pq estivemos juntas participando do curso de gestante da dra daniela, e ao ver as fotos me lembrei de voces!
Tambem como voce me tornei mamae no dia 11/05 e estou muito babona com meu Rodrigo Filho!
Muita saude para o Augusto!
Thalita Garcia

Sadol disse...

Parabéns Fernanda!!!
Parto normal é o meu sonho... tomara que quando engravidarmos a minha esposa concorde.
Sadol

Sadol disse...

Fernanda
Parabéns pelo parto, pelo Augusto e pelo lindo texto.
Quando engravidarmos também quero parto normal. Espero que a minha esposa concorde.

Nair Gavilan Carvalho Reis disse...

Oi Fernanda, li teu relato sobre o teu parto normal com analgesia e confesso to rindo de como tudo aconteceu surpreendentemente ein..a dilatação então.hehe
mais é verdade em alguns casos eu sempre soube que existem mulheres que nasceram prontas pra isso e é vapt-vupt coisa que nem imaginamos né?só a palavra parto normal assusta.hehe
eu tive minha primeira filha há 2 anos e estou perto de ganhar a minha segunda.parto normal nas duas. e acredite, senti contrações no começo de uma quinta-feira pela noite,aguentei sem dilatação sexta sabado e tive ela em meus braços pela manhã do domingo.e assim como vc tomei banho sozinha =p lembro de tudo.a dor é inevitável, fiquei sozinha internada na maternidade em que ganhei não podia haver visita com a paciente muito menos homem.aguentei firme chorando uma após a outra só eu e ela na sala,vi a lua subir e descer no sabado,e pela manhã a bolsa estourou e vc deve saber aquela sensação do bebe saindo foi a melhor depois de ver o rostinho dela claro.mas, com dor ou não 2 ou 3 dias novamente esperarei minha filha decidir sair.não quero cirurgia na minha barriga e tenho orgulho em tentar e saber que posso conseguir fazer o que fizeram minhas avós bizavós,etc..Beijos e mão na massa agora ;)