30 de abr de 2009

Maio é nosso mês!! Mês das Mães.

Maio é mês das mães... e pra falar de mãe tem que falar de Maria, que é um exemplo de mulher e mãe que devemos seguir.

Para ilustrar a importância dessa mulher de força, vou publicar um texto de uma amiga - Carol - blog http://pensopauloneto.blogspot.com/:


"Que Mulher é essa que disse SIM à notícia mais importante enviada pelo um anjo em prol de toda a humanidade?
E que fez do sonho de Deus ser o seu também?
Maria recebeu a notícia que seria mãe de um menino que mudaria o mundo e o código genético seria somente dela. Numa época de repressões sociais onde as mulheres eram apedrejadas até a morte, Maria se entregou ao sonho de Deus. Ela só tinha o amor e a fé para guiá-la no que estava por vir. Mas ela não hesitou e nem desistiu. Com muita humildade essa mulher se entregou de alma limpa e fez de todo o seu amor e intuição os principais pilares para criar o seu filho.

Maria não era uma mulher especial só por ser Mãe de Jesus, ela já era especial antes disso e por isso fora escolhida. Sua inteligência e sua capacidade de raciocínio era magnífica e brilhante. Ela entendia o seu filho somente no olhar.
Quando Jesus sumiu por 3 dias ela o procurava desesperadamente, sua aflição era como o de qualquer mãe que perdera o seu filho e ao vê-lo, ela não o criticou e nem mesmo elevou o seu tom de voz e nem mostrou uma ansiedade incontrolável.
Maria apenas indagou:- Filho, por que fizeste isso comigo e com o seu pai?
- Estamos angustiados a tua procura.
E ele respondeu de uma forma sábia e até mesmo testanto a capacidade de entendimento de seus pais, até porque faltava apenas 18 anos para ele revelar ao mundo a sua missão:- Por que estão a minha procura?
- Não sabiam que me cumpriam estar na casa de meu Pai?
Ela ficou atônita.

O termo Filho de Deus naquela época era uma das maiores heresias e este foi o maior motivo de Jesus ser rejeitado. Ela não respondeu a afirmação de Jesus, apenas guardou as palavras em seu coração. Maria não tinha um manual de instruções, ela tinha intuição.
Com certeza em alguns momentos ela se sentia confusa e até mesmo sozinha, mas ela foi escolhida não porque sabia muito mas porque era uma especialista em aprender.
Ela curtia o seu filho a cada momento.
Educá-lo era caminhar num terreno desconhecido.
Ela ensinava e aprendia a todo instante.
Maria tinha a capacidade de enxergar o seu filho como ele era e não como ela queria que ele fosse. Tinha os livros de Moisés, os salmos e os ensinamentos de Salomão para usar na educação do menino Jesus, mas os fundamentos de sua criação foram baseados na capacidade de meditar a cada nova situação. Cada situação era um novo momento, exigia uma nova luz. Maria educava o seu filho para servir a sociedade e não para a sociedade servi-lo. E que dor tremenda que Maria sentia quando via o seu filho ser crucificado e mesmo, nesta angustiante caminhada junto Dele, ela de corpo e alma se entregava a sua fé em Deus e acreditava que o fim da dor de Jesus estava chegando.
Que força é essa?
Maria não era uma mulher comum, sua coragem é inquestionável.
E no mês das mães digo que ela será sempre o meu maior exemplo.

Carol, é publicitária, profissional exemplável, mãe dedicada e excepcional do lindo Paulo Neto, esposa exemplo e minha amiga... Parabéns pelo texto Carol, feliz dia das Mães e obrigada por sua amizade!

2 comentários:

Marilene disse...

Oi Mirela, td bem?? Paz de Jesus para Ti..Meu nome é Marilene, sou missionária na ESpanha junto com meu esposo, estava pesquizando algumas coisas sobre gravidez, pois estamos tentando ficar grávidos..Enfim encontrei seu blog, está lindo..Seu filho é lindo..e com certeza virei aqui mais vezes..qdo tiver grávida te escrevo contando o Milagre..Um grande abraço e que Deus siga abençoando vc e sua família!!

BEBE ESTILOSO disse...

uma gracinha o pedro!